Diários de Uma Feminista. Tecnologia do Blogger.

Gays podem ser machistas/misóginos?

"Piada" gay machista e misógina.
Ser gay (afeminado ou não) não isenta nenhum macho de ser misógino, a prova disso é quantidade absurda de homossexuais (cis) masculinos destilando misoginia contra nós, mulheres, estigmatizando nossos corpos, sobretudo com aquele discurso falocêntrico pautado em estigmatizar a vagina como algo nojento, execrável, feio e digno de pavor (enquanto o falo é o centro do universo) e, ainda, reduzindo nossa identidade, vivência e mulheridade com esteriótipos sociais de feminilidade que, por exemplo, reduzem as mulheres a seres com maquiagem, salto alto e roupas consideradas femininas. 

Esses dias vi num grupo um post de um gay (cis) que dizia: 

Sou tão gay que, quando nasci, os médicos tiveram que fazer uma cesariana, pois jamais passaria perto daquilo (vagina). 

Os comentários eram tão deploráveis quanto o post. Entre eles menciono os que diziam que "Bicha burra nasce mulher" e "Quem gosta de buceta é lésbica, macho gosta de buraco", só para vocês terem uma ideia da misoginia dos discursos proferidos como "piadas". Diante disso, deixo um recadinhos para os amiguinhos:

Ser gay afeminado e usar pronome feminino não te faz ser mulher e ter nossa experiência de mundo (seja a vivência de uma mulher cis ou trans). Muito menos, te dá o direito de nos marginalizar com discursos misóginos acerca do nosso corpo. Reitero, ser gay afeminado não te faz ser mulher. Logo, não te isenta de ser misógino nem te dá aval para falar mal do corpo das mulheres ou criar rivalidade entre elas. 

Estigmatizar vaginas e/ou reduzir mulheres a elas é, além de misoginia, transfobia contra homens trans (os quais podem ser gays também). No mais, você usa pronome feminino por que acha bonitinho e/ou por que quer afrontar? Ou só para banalizar a mulheridade e reduzi-la a performatividade de gênero feminina? Pode revolucionar e divar a vontade performando feminilidade, inclusive isso ajuda muito a desconstruir esteriótipos de gênero, agora achar que essa performatividade te dá aval para ser misógino é erro rude!!! 

Gênero, identidade de gênero e performatividade de gênero NÃO são a mesma coisa, muito menos equivalem a orientação sexual.

Lizandra Souza.